VOLTAR PARA OS TEMAS

[FU8] EM - ARTIGO - ESCOLINHAS DE FUTEBOL

ARTIGO DE OPINIÃO - EM

ESCOLINHA DE FUTEBOL

ARTIGO DE OPINIÃO

ID: FU8


Texto I

A ascensão social por meio do esporte mexe com o imaginário das pessoas, pois em poucos anos um adolescente pode se tornar milionário caso tenha um bom desempenho esportivo. Muitos meninos de famílias pobres jogam com o objetivo de conseguir dinheiro para oferecer uma boa qualidade de vida à família. Isso aproximou mais ainda o futebol das camadas mais pobres da sociedade, tornando-o cada vez mais popular. (...) O caminho até o profissionalismo acontece por meio de um longo processo seletivo que os jovens têm de percorrer. Caso não seja selecionado, esse atleta poderá ter que abandonar a carreira involuntariamente por falta de uma equipe que o acolha. Alguns podem acabar em subempregos, à margem da sociedade, ou até mesmo em vícios decorrentes desse fracasso e dessa desilusão. Isso acontece porque, no auge da sua formação escolar e na Condição juvenil de desenvolvimento, eles não se preparam e não são devidamente orientados para buscar alternativas de experiências mais amplas de ocupação fora e além do futebol.

https://e-conhecimento.br.com/ed-fisica/a-ascens-o-social-por-meio-do-espor-31509366


Texto II

Há também os garotos que treinam apenas para agradar os pais. “Comecei porque meu pai quer que eu seja jogador, mas eu quero ser médico”, disse André ___, 16 anos, que já tem um empresário e lugar para continuar jogando assim que for dispensado da escolinha ___. Em alguns casos, os pais enxergam o futebol não como lazer ou prática esportiva, mas uma profissão. “Se até os 14 meu filho não virar jogador profissional eu tiro ele daqui. Vai ter que começar a trabalhar pra eu ter retorno financeiro”, contou ___, pai de Lucas, de 8 anos. (...) Para o psicólogo ___, esse é um problema social. “O problema não é apenas dentro da escolinha de futebol, mas sim dentro do bairro, da sociedade, que valorizam mais o bem material do que os próprios valores”, analisou.

http://www.metodista.br/rronline/noticias/cidades/2011/10-1/temporario/categorias-de-base-no-abc-dispensam-centenas-de-alunos-por-ano, com nossas omissões e ajustes


Texto III


http://g1.globo.com/al/alagoas/noticia/2014/10/destruiram-meu-sonho-afirma-jovem-jogador-levado-para-falso-teste-no-rj.html


Texto IV

O mais famoso jogador do Brasil ganhou o apelido de Rei ao encantar plateias mundo afora. Escolhido como o Atleta do Século, Edson Arantes do Nascimento nasceu na pequena cidade de Três Corações, em Minas Gerais, e saiu do interior para conquistar o título de Embaixador Mundial do Futebol. A carreira de Pelé, o Melhor Jogador do Século segundo a FIFA (2000), começou aos dez anos, quando entrou para o Bauru Atlético Clube, em São Paulo.

https://www.ebiografia.com/jogadores_de_futebol/, adaptado


COMANDO: Escreva um ARTIGO DE OPINIÃO sobre o tema: ESCOLINHAS DE FUTEBOL, SONHO E REALIDADE. Seu texto deverá ter de 25 a 30 linhas.


Você já, sabe, mas não custa lembrar...

O Artigo de Opinião, como o próprio nome já diz, é um texto em que o autor expõe seu ponto de vista a respeito de algum tema polêmico. É um gênero textual que se apropria do tipo dissertativo. O articulista deve sustentar sua opinião por meio de evidências; deve, também, assinar o Artigo – entretanto, nos vestibulares, o candidato deve usar apenas as iniciais ou adotar um pseudônimo, a fim de que não seja identificado pelo examinador, o que poderia ser motivo para a anulação da prova.

O texto é breve – aproximadamente, 25 linhas. A linguagem é simples e objetiva. O Artigo leva título.

O Artigo de Opinião é persuasivo: inserido em grandes jornais e revistas, é um serviço prestado ao leitor, com o objetivo de convencê-lo acerca não só da importância do tema ali enfrentado, mas também, e principalmente, da relevância do posicionamento do articulista.

São comuns o apelo emotivo, as acusações, o humor satírico, a ironia – tudo baseado em informações factuais. No Artigo de Opinião, é preciso conjugar as seguintes funções da linguagem: referencial (informação, na parte introdutória), emotiva (criticidade, no desenvolvimento) e conativa (apelo/ordem/aconselhamento ao leitor, na conclusão).