VOLTAR PARA OS TEMAS

[G4V] EM - DISSERTAÇÃO - MODELO FUVEST - REDES SOCIAIS E POLARIZAÇÃO POLÍTICA

FUVEST

REDES SOCIAIS E POLARIZAÇÃO POLÍTICA

MODELO FUVEST

ID: G4V



Texto I

Por que a polarização é um problema na democracia?

Ao longo dos séculos, a humanidade refinou sua organização, entendeu como as sociedades funcionam e criou sistemas para organizar o poder de forma mais justa. Uma das inovações foi a democracia, por meio da qual não seria necessário usar a força para chegar ao poder: a disputa não aconteceria por meio da violência, mas sim pela discussão de ideias. Quem convencesse mais cidadãos e conseguisse mais votos chegaria aos postos de comando. O excesso de polarização compromete todos esses quesitos. Em uma sociedade concentrada em dois lados radicalizados, adversários são vistos como inimigos, e transgredir as regras parece justificável.

Das redes sociais às guerras culturais

Se a tendência à polarização existe no próprio cérebro humano e nos acompanha há tanto tempo, por que esse fenômeno tem ganhado tanto destaque atualmente? Uma possível resposta é que o ambiente criado nas últimas décadas favorece essa tendência. É possível reunir alguns fatores para explicar o crescimento da polarização no mundo.

Redes sociais

O primeiro fator que podemos citar são as redes sociais. Com tanta informação disponível dentro de cada uma delas, são usados códigos para determinar quais conteúdos chegarão até nós. O problema é que esse processo resulta na criação de bolhas. Cada indivíduo acaba tendo contato apenas com opiniões, notícias, artigos, vídeos e imagens que reforçam suas crenças. Pontos de vista diferentes, por outro lado, têm chance mínima de furar essa bolha e nos atingir. O resultado: cada pessoa consolida e reforça as ideias que já tem e passa a ter mais certeza de que está certa em seus julgamentos. As visões discordantes se tornam cada vez mais inaceitáveis.

Políticos e lideranças

A polarização crescente é promovida por aqueles que se favorecem dela. Políticos, partidos e grupos mais extremistas se alimentam do descontentamento e da intolerância para ganhar mais apoio a suas ideias. Afinal, medidas extremas têm maior chance de aceitação quando se vê o outro grupo como um inimigo perigoso que é preciso eliminar, ao invés de um concorrente no debate. (...)

A polarização na prática

No nível individual, a ciência já descobriu que, em muitos casos, uma opinião formada sobre determinado assunto importa mais do que os fatos relacionados a ele – isto é: evidências têm pouco poder para mudar a visão de mundo de uma pessoa. Isso acontece por meio do “raciocínio motivado”. O termo se refere ao modo como tendemos a dar mais valor a fatos e informações que reforçam nossas opiniões e menos valor àqueles que as contrariam. Um ambiente polarizado, sem tolerância e respeito a opiniões discordantes, reforça esse comportamento.

A polarização tem seu lado bom?

Nelson Ferreira Marques Júnior, doutor em história política do Brasil, defendeu essa posição em artigo publicado no jornal Folha de S. Paulo. Segundo ele, a divisão da sociedade em dois polos distintos faz parte do desenvolvimento da democracia e não pode ser considerada um mal em si. A disputa política seria a única forma de construir conhecimento e encontrar soluções para problemas comuns.

https://www.politize.com.br/o-que-e-polarizacao/?https://www.politize.com.br/&gclid=CjwKCAjw95yJBhAgEiwAmRrutHPzUe68G_0ZbXFcaRdJEjvdPNl8Bwyhi3F2gY5-FpQPRggpU_O24hoCTWIQAvD_BwE, adaptado.
Acesso em 27.ago.2021.


Texto II


Charge do Duke.
Disponível em: www.otempo.com.br/image/ contentid/policy:1.2151350:1552952044/CHARGE%20SUPER%20FC.JPG?f=3x2&w=940&$p$f$w=000164f.
Acesso em 27.ago.2021.



Texto III

Quando as relações políticas se deixam levar por questões morais, religiosas ou ideológicas, a democracia entra em derrocada, uma vez que a discussão legítima e saudável cede espaço para fanatismos, vitimismos e outros comportamentos viciosos, que passam de longe dos pressupostos democráticos e republicanos. Sem dúvida, guerras culturais não se resolvem nas urnas, uma vez que não fazem parte – ou pelo menos não deveriam fazer – da esfera pública tutelada pelo estado democrático de direito, e, desse modo, a liberdade de expressão e o pleito legítimo perdem, muitas vezes, para a desinformação, propagada especialmente no ciberespaço.

Gislaine Buosi



PROPOSTA DE REDAÇÃO: Considerando as ideias apresentadas nos textos e também outras informações que julgar pertinentes, redija uma dissertação em prosa, na qual você exponha seu ponto de vista sobre o tema: POLARIZAÇÃO POLÍTICA – DAS REDES SOCIAIS À AMEAÇA À DEMOCRACIA.