EMPREENDEDORISMO FEMININO

ESTILO ENEM

ID: EP1


A partir do material de apoio e com base nos conhecimentos construídos ao longo de sua formação, redija um texto dissertativo-argumentativo, em norma padrão da língua portuguesa, sobre o tema: “Desafios do empreendedorismo feminino no Brasil do século 21.”. Apresente uma proposta de intervenção social que respeite os valores humanos. Selecione, organize e relacione, de maneira coerente e coesa, argumentos e fatos para defesa de seu ponto de vista.


Texto I

FONTE: http://www.sebrae.com.br/sites/PortalSebrae/ufs/ba/artigos/mulheres-de-negocios,531db12a92b29610VgnVCM1000004c00210aRCRD


Texto II

As mulheres têm aumentado sua representatividade e inovado nas formas de trabalho. Com elas, surgem também novos desafios e oportunidades para serem exploradas nos negócios. Na mesma medida em que as empreendedoras contribuem para o desenvolvimento do país, elas também investem na educação de suas famílias e, assim, possibilitam o crescimento de mais pessoas. O empreendedorismo feminino tem toda essa força. (...) As empresas abertas por elas tendem a ter a vida mais curta. As empresárias têm menos redes de contato e nem sempre participam de negócios maiores ou inovadores.

FONTE: https://exame.abril.com.br/negocios/o-cenario-do-empreendedorismo-feminino-no-brasil/


Texto III

Quando as norte-americanas Kate Dwyer e Penelope Gazin decidiram empreender, elas encontraram, assim como muitos, dificuldades pelo meio do caminho. No caso delas, o problema não foi escolher o nicho de mercado (...). Ter o dinheiro para alavancar a ideia do negócio, por sua vez, não foi algo simples, e elas tiveram de tirar o investimento inicial do próprio bolso. No entanto, a principal complicação (...) o machismo e o sexismo. (...). Na ocasião, elas contavam com um desenvolvedor responsável para criar a plataforma, o qual ficou frustrado, após Penelope não aceitar sair com ele, e tentou deletar todo o trabalho que já estava sendo feito pelas empreendedoras. (...) Foi a partir desse cenário sexista que as duas empreendedoras tiveram a ideia de criar um terceiro fundador – fictício – o qual seria do sexo masculino: Keith Mann, que passou, então, a trocar e-mails com os desenvolvedores. “Foi instantâneo. Os desenvolvedores demoravam dias para me responder, mas, para Mann, vinham respostas, atualizações de status e até solicitações (...) mais rapidamente. Quando falavam com Keith, eles sempre usavam o nome de Keith; quando falavam com Penelope e comigo, nunca usavam nossos nomes. (...). Acredito que nós poderíamos ter ficado muito chocadas com esse fato. (...) As pessoas irão falar com mais respeito com esse homem imaginário do que com nós mesmas? Mas, sabe, isso é só uma demonstração do mundo no qual estamos inseridos agora.”, diz Kate.

Fonte: https://revistapegn.globo.com/Mulheres-empreendedoras/noticia/2017/09/empreendedoras-criam-um-socio-de-mentira-para-comprovar-machismo-nos-negocios.html