ESTILO ENEM – VIOLÊNCIA NO TRÂNSITO

(ID: E9C)


TEXTO I

Violência no trânsito mata tanto quanto a violência pública

A cada 10 minutos uma pessoa morre vítima de violência pública no Brasil, ou seja, 6 mortes por hora. Esse número praticamente se iguala quando se trata de acidentes de trânsito: a cada 12 minutos uma pessoa morre vítima da violência no trânsito, ou seja, 5 mortes a cada hora, conforme levantamento feito pelo OBSERVATÓRIO Nacional de Segurança Viária.

De acordo com o estudo, o número de mortes causadas por armas de fogo, objetos cortantes e agressões em geral, nos últimos cinco anos em todo Brasil (de 2011 a 2015, ano mais recente com disponibilidade de estatísticas consolidadas), matou cerca de 260 mil pessoas no país. No mesmo período considerado pelo levantamento, foram registradas cerca de 210 mil mortes em acidentes de trânsito, o que corresponde a cinco mortes por hora, ou uma morte a cada 12 minutos. “Como podemos observar, o trânsito produz praticamente a mesma quantidade de vítimas/hora que a violência por agressões no Brasil”, destaca o diretor-presidente do OBSERVATÓRIO, José Aurélio Ramalho.

https://www.onsv.org.br/observatorio-afirma-violencia-no-transito-tambem-e-violencia-publica/ 


TEXTO II

Violência no trânsito é a terceira maior causa de mortes no mundo

Acidentes no trânsito são a terceira causa de morte no mundo, ficando atrás apenas das doenças cardíacas e câncer. Com base nas estatísticas, a Organização Mundial da Saúde iniciou, em 2011, a década das ações contra acidentes no trânsito.

Essas ações visam ao esclarecimento e orientação da população para tentar reverter os números, que aumentam ano a ano, principalmente com o uso do álcool. De acordo com o diretor da Sociedade Brasileira de Ortopedia - Regional Santa Catarina, Waldemar de Souza Júnior, as estatísticas mostram que os jovens são os principais envolvidos em acidentes com mortes e o uso do álcool está inserido no fator causador do acidente. Apesar de todos os estímulos e campanhas de alerta, os jovens continuam bebendo ou pegando carona com quem bebeu.

O médico alerta que mais de 70% dos jovens dirigem após beber, e que, hoje, os acidentes com uso do álcool causam prejuízos, muitas vezes, permanentes e mesmo fatais. O álcool é um inibidor do sistema nervoso central que impede estímulos e, consequentemente, reflexos ao volante, além de mudar a resposta aos riscos. Acaba-se dirigindo mais rápido, com menos cuidado. De todos os acidentes, temos uma média de 50% causados pelo uso do álcool.

https://al-sc.jusbrasil.com.br/noticias/100074395/violencia-no-transito-e-a-terceira-maior-causa-de-mortes-no-mundo 


TEXTO III

Com dez anos da Lei Seca, mortes no trânsito ainda preocupam

(...) Maus hábitos de motoristas e baixa aplicação da legislação ameaçam segurança do trânsito no país, que registra 40 mil mortes em acidentes por ano. A fiscalização é mais eficiente em grandes cidades. O Brasil lota um estádio de futebol por ano com o número de mortes em acidentes de trânsito. São cerca de 40 mil pessoas mortas. A ingestão de bebida alcoólica fica atrás apenas de falha humana nas causas de acidentes de trânsito, segundo especialistas. (...) Nos quatro primeiros meses de 2018, apenas em rodovias federais, a Polícia Rodoviária Federal (PRF) registrou mais de 300 mortes em acidentes provocados por condutores que haviam ingerido bebida alcoólica. (...) No relatório da OMS, o Brasil aparece como um dos poucos países com lei que prevê tolerância zero para bebida alcoólica. Estados Unidos e Alemanha, por exemplo, ainda permitem uma quantidade mínima de álcool no sangue. No entanto, enquanto no Brasil há 40 mil mortes por ano no trânsito, EUA e Alemanha somados contabilizaram um total de 36 mil mortes no trânsito em 2013, ano do estudo.

https://www.terra.com.br/noticias/brasil/cidades/apos-dez-anos-de-lei-seca-mortes-no-transito-ainda-preocupam,bedbd3c3f05bc1e37d3f7e97d66675ebfkq2sy1u.html 


TEXTO IV

Educar para o trânsito não se limita apenas a ensinar regras de circulação, mas também deve contribuir para formar cidadãos responsáveis, autônomos e comprometidos com a preservação da vida. Diante do quadro de violência que vem se apresentando no trânsito e também em outras esferas sociais, torna-se necessário o envolvimento de toda a sociedade nessa tarefa de educar, na qual a família e a escola são a base formadora e não podem se eximir de tal responsabilidade.

http://www.cettrans.com.br/educacao-de-transito.php



PROPOSTA DE REDAÇÃO:
A partir do material de apoio e com base nos conhecimentos construídos ao longo de sua formação, redija um texto dissertativo-argumentativo, em norma padrão da língua portuguesa, sobre o tema:


“A violência no trânsito – uma questão socioeducativa.”


Apresente, ao final, uma proposta de intervenção social que respeite os direitos humanos. Selecione, organize e relacione, de maneira coerente e coesa, argumentos e fatos para defesa de seu ponto de vista.


Boas atividades!